DISTRITOS PERTENCENTES AO MUNICÍPIO DE BELÉM

ILHA DO MOSQUEIRO

ILHA DO MOSQUEIRO

A ilha do Mosqueiro é um distrito administrativo do município de Belém. Mosqueiro é uma ilha fluvial localizada na costa oriental do rio Pará, no braço sul do rio Amazonas, em frente à baía do Guajará. Possui uma área de aproximadamente 212 km² e está localizada a 70 km de distância do centro da capital Belém.Possui 17 km de praias de água doce com movimento de maré.O nome “Mosqueiro” é originário da antiga prática do “moqueio” do peixe pelos indígenas tupinambás que habitavam a ilha.

A ponte Sebastião R. de Oliveira é a principal via de acesso para o distrito de Mosqueiro. Com seus 1.457,35 metros, encurtou a distância de Mosqueiro com a capital, deixando-a muito mais acessível à população e atraindo um número cada vez maior de visitantes. Antes da construção da ponte, o deslocamento até a ilha era realizado somente por navios.

Esse tipo de transporte garantiu a travessia para o outro lado do continente, por quase meio século.Com a conclusão da ponte, Mosqueiro ganhou ares de cidade grande, belas mansões e prédios.De acordo com o IBGE, caso fosse emancipada, Mosqueiro, com 28 mil habitantes, estaria entre os municípios paraenses de médio porte. Os moradores, porém, não aceitam os números do censo. Para eles, a população está em torno de 50 mil.

ICOARACI

ICOARACI

Como muito bem disse Júnior Guimarães – é um Mega-Distrito, onde residem aproximadamente 167.035 habitantes, distribuídos entre os bairros do Cruzeiro, Agulha, Águas Negras, Campina, Maracacuera, Paracuri, Parque Guajará, Ponta Grossa e Tenoné.Icoaraci é um distrito basicamente industrial, empregando boa parte de seus moradores em Indústrias de Pesca, Madeireiras, Olarias (fabricação de telhas e tijolos), Marcenarias, Industrialização de Palmito, etc…

Icoaraci, também conhecida como “Vila Sorriso” encanta pela tradicional água de coco no Pontão, seja pelas delícias de suas peixarias ou ainda pelo papo gostoso que rola nos bares da antiga na 1ª Rua. Além de tudo isso, Icoaraci tem a oferecer seu orgulho maior, a beleza da grande arte aqui renascida – A Cerâmica Marajoara – que traz pessoas de todo mundo para aqui pousar, nem que seja por um pouquinho, e desfrutar dos encantos e simpatia de Icoaraci, a “Vila Sorriso”, de Frente para o Sol.

ILHA DE CARATATEUA O OUTEIRO

ILHA DE CARATATEUA O OUTEIRO

Caratateua ou Outeiro, como é mais conhecida, é uma ilha situada a 18 km do centro de Belém e ligada diretamente a Icoaraci. A ilha é banhada por águas doces, turvas, de característica barrenta, provenientes da baía do Guajará. Tem como principais atrativos turísticos suas praias, entre as quais a Praia do Amor, Praia Grande e Praia da Brasília. Sua orla é em sua maior parte urbanizada, contando com várias barracas que servem frutos do mar em geral e bebidas diversas.

A Vila do Outeiro é povoada por pouco mais de 2.000 habitantes permanentes, mas nos finais de semana e, sobretudo, nas férias escolares de julho, a população da pequena ilha aumenta muito, com a chegada de pessoas em viagem de férias, podendo chegar a 5.000 habitantes.Outeiro é um distrito da capital do estado e possui ligação com Belém através das linhas de ônibus que passam pelo Terminal Rodoviário de Belém a cada 30 minutos. O tempo de viagem é de aproximadamente 45 minutos.
ILHA DE COTIJUBA

ILHA DE COTIJUBA

Os primeiros habitantes da Ilha de Cotijuba foram os índios Tupinambás, que a batizaram com este nome. Em tupi, Cotijuba significa “trilha dourada”, talvez uma alusão às muitas falésias que expõem a argila amarelada que compõe o solo da ilha.Em 1968, foi construída uma penitenciária na ilha reunindo os mais diversos tipos de criminosos, adultos e menores, com um sistema penal violento e arbitrário, desativado em 1977.Em 1990, através de Lei Municipal, a Ilha de Cotijuba foi transformada em Área de Proteção Ambiental, fato que obriga a preservação das suas ricas fauna e flora e proíbe a circulação de veículos motorizados,exceto os de segurança e saúde e hoje desperta interesse de veranistas atraídos pela riqueza da sua biodiversidade e pela sua proximidade da capital paraense, e seu acesso é realizado através de embarcações.