PESQUISA – Secon e Dieese-PA indicam aumento no preço do pescado e aconselham sobre melhores ofertas

PESQUISA – Secon e Dieese-PA indicam aumento no preço do pescado e aconselham sobre melhores ofertas

O ano de 2020 começou e, como de costume, alguns produtos sofreram variações de preço. Segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira, 14, conjuntamente, pela Secretaria Municipal de Economia (Secon) e Departamento Intersindical de Estudos Estatísticos e Socioeconômicos (Dieese/PA), o pescado vendido nos mercados municipais da capital paraense também apresentou elevações nos valores de comercialização.

“Nada fora do normal. Todos os anos observamos que no início do ano até o período da Semana Santa, o peixe costuma subir de preço. Entre os principais fatores está a própria sazonalidade, aliada ao período de defeso para a reprodução das espécies, diminuindo a oferta desse produto nos mercados”, explicou o supervisor técnico do Dieese no Pará, Roberto Sena.

Mesmo com a alta de preço, o titular da Secon, Rosivaldo Batista, indica outras espécies que, inclusive, apresentaram baixas nos valores de comercialização. “Somos privilegiados por uma variedade de opções de pescado. Por isso, a divulgação que a Prefeitura de Belém realiza todos os meses, junto com Dieese, é uma maneira de apresentar à população da capital alternativas para o consumo dos peixes mais baratos no período”, destacou Batista.

Preços – De acordo com o estudo Secon e Dieese/PA, as espécies que apresentaram queda expressivas de valores, no mês de dezembro de 2019, foram a pirapema, com recuo de 18,08%; seguido do cação, com queda de 10,63%; xaréu, 7,80%; sarda 6%; piramutaba, 5,44%; peixe-pedra, 2,62%; e gurijuba, com queda de 2,32%.

Média anual – Já na média anual, de janeiro a dezembro de 2019, apesar de fechar com alta de preço na maioria das espécies – com reajustes acima da inflação, estimada em 4,1% para o período -, a Secon e o Dieese/PA identificaram queda em alguns preços de variedade de pescado, como a traíra, com recuo de 26,60%; seguida da uritinga, com queda de 11,20%; piramutaba, 10,90%; surubim, 9,16%; corvina, 7,36%; filhote, 7,17%; peixe-serra, 5,55% e tamuatá, com queda de 3,86%.

Texto: Roberta Corrêa

MERCADO DE TRABALHO – Cerca de 3 mil Jovens Aprendizes foram contratados em 2019 em Belém

MERCADO DE TRABALHO – Cerca de 3 mil Jovens Aprendizes foram contratados em 2019 em Belém

O ano de 2019 se encerrou com um saldo animador quanto à contratação de Jovens Aprendizes na capital paraense. Segundo dados divulgados pela Secretaria Municipal de Economia (Secon) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA), foram contratados formalmente no mercado de trabalho, em Belém, 2.901 pessoas, entre 14 e 24 anos, inscritos no programa de incentivo profissional de adolescentes e jovens.

“O estudo da Secon e Dieese tem como base as informações captadas de janeiro a novembro de 2019 pelo Cadastro Geral de Empregos e Desempregos do Ministério da Economia, que revelou, inclusive, o perfil e o setor de maior empregabilidade desses Jovens Aprendizes”, destacou o supervisor do Dieese no Pará, Roberto Sena.

Entre as abordagens da pesquisa do Cadastro Geral de Empregos e Desempregos do Ministério da Economia (Caged) está o quantitativo do gênero nas contratações. Das 2.901 admissões formais de Jovens Aprendizes ocorridas em Belém, a maioria era do sexo masculino, com o total de 1.536 jovens (equivalente a 52,9%), e o restante, 1.365 jovens, do sexo feminino (47,1%).

Empregabilidade – Quanto às atividades econômicas com maiores empregabilidades, o estudo da Secon e Dieese-PA mostrou que o setor de Serviços foi o que mais contratou Jovens Aprendizes na capital, com o total de 1.301 pessoas, o que equivale a 44,8% de todas as contratações. Em sequência está o setor do Comércio, com a admissão de 1.229 jovens (42,4%); setor da Indústria de Transformação, com a contratação de 183 jovens (6,3%); setor da Construção Civil, com a admissão de 155 jovens (5,3%) e o setor de Serviços de Indústria e Utilidade Pública, com a contratação de 29 jovens (1%).

Para o titular da Secon, Rosivaldo Batista, a contratação pelas empresas de Jovens Aprendizes é essencial. “Esse tipo de contratação aquece a economia local e ainda contribui para a preparação e inserção do jovem profissional ao mercado de trabalho, cada vez mais competitivo e qualificado”, observou Batista.

Ranking de contratações no Pará – Em 2019 foram admitidos 7.422 Jovens Aprendizes em todo o estado do Pará. Belém foi o município paraense com o maior número de contratações, com 2.901 pessoas, o que representa 40% de toda a admissão estadual. Em sequência está Ananindeua, com a admissão de 688 jovens, equivalente a 9,3% do total das contratações no estado; Marabá com a contratação de 558 jovens (7,5%); Castanhal com a admissão de 528 jovens (7,1%); Parauapebas com a contratação de 409 jovens (5,5%); Santarém com a admissão de 346 jovens (4,7%); Barcarena com a contratação de 309 jovens (4,2%); Altamira com a admissão de 224 jovens (3,0%); Paragominas com a contratação de 210 jovens (2,8%) e Benevides com a admissão de 143 jovens (1,9%).

Texto: Roberta Corrêa

CAPACITAÇÃO – Trabalhadores do Complexo do Jurunas participam do projeto Feirante Empreendedor

CAPACITAÇÃO – Trabalhadores do Complexo do Jurunas participam do projeto Feirante Empreendedor

“Quero estar totalmente capacitada para receber meus clientes, quando inaugurar o novo espaço” revelou a vendedora Mara Campos Maciel, que atua no anexo da feira do Jurunas com a venda de variedades. A permissionária, chegou cedo na tarde desta terça-feira, 17, na sede da escola de samba Rancho Não Posso Me Amofiá, para participar do ciclo de palestras de capacitação empreendedora, ofertadas pela Prefeitura de Belém (PMB) aos trabalhadores do Complexo do Jurunas.

A ação faz parte do projeto Feirante Empreendedor, promovido pela Secretaria Municipal de Economia (Secon), por meio da Sala do Empreendedor, que oferece orientações e cursos de capacitações de empreendedorismo aos pequenos negócios em expansão na capital paraense.

“Para que os permissionários exerçam as suas atividades no Complexo do Jurunas, a PMB separou uma programação especial, que será realizada em todos os meses, até a entrega da reforma do espaço, prevista para junho de 2020”, explicou a coordenadora da Sala do Empreendedor, Regina Vilanova.

Temáticas – Entre as temáticas que serão abordadas durante as capacitações estão Gestão Inovadora de Feiras e Mercados, Vantagens da Formalização, Empreendedor com Sucesso, Excelência no Atendimento, Redes Sociais Como Atrativo aos Clientes, Boas Práticas de Manipulação de Alimentos e Coleta Seletiva do Lixo.

Sérgio Alves de Sousa trabalha há 47 anos no Complexo do Jurunas com a venda de mariscos, a atividade foi herdada do pai, conhecido pelos clientes como Candiru. “Os fregueses que tenho hoje devo a ele, que sempre me ensinou a valorizar a clientela tanto pelo tratamento, quanto pela higiene do espaço. Por isso, esses pontos abordados nos cursos serão fundamentais para receber o nosso novo local de trabalho”, observou o vendedor.

Feirante Empreendedor – A ação vai percorrer outras feiras e mercados municipais de Belém, conforme cronograma da Secon. “As capacitações de empreendedorismo ofertadas aos permissionários do Complexo do Jurunas são apenas o pontapé para esse programa que deve contemplar os demais feirantes da capital paraense”, esclareceu o titular da Secon, Rosivaldo Batista.

Texto: Roberta Corrêa

COMPRAS NATALINAS – Centro comercial de Belém abre aos domingos durante o mês de dezembro

COMPRAS NATALINAS – Centro comercial de Belém abre aos domingos durante o mês de dezembro

A partir do próximo dia 8, o Centro Comercial de Belém estará aberto durante os domingos do mês dezembro, para atender a demanda do Natal. O funcionamento das lojas do Comércio faz referência à portaria da Secretaria Municipal de Economia (Secon), número 339, de 4 de dezembro de 2019.

“A medida foi negociada no acordo coletivo entre sindicatos dos lojistas e dos trabalhadores do comércio de Belém e deve beneficiar, tanto as categorias quanto à população, contribuindo para o aquecimento da economia local”, destacou o titular da Secon, Rosivaldo Batista.

Os trabalhadores informais também aproveitam a abertura das lojas e a movimentação do entorno para exercer as atividades no centro comercial. “Vamos trabalhar em horários especiais, pensando inclusive nos clientes que só conseguem sair para comprar os presentes durante os domingos”, observou a diretora da Associação dos Ambulantes do Centro Comercial de Belém, Zilmar Carvalho.

Funcionamento – As lojas do centro comercial de Belém abrem durante os domingos do mês de dezembro, das 8h às 22h.

Texto: Roberta Corrêa