«

»

Prefeitura começa a cadastrar cooperativas de transporte alternativo nesta terça-feira

Want create site? With Free visual composer you can do it easy.

Reunião Transporte Alternativo / Complementar de BelémTem início nesta terça-feira, 4, o processo de organização do sistema de transporte alternativo de Belém, iniciando a transição definitiva para uma modalidade complementar, integrada ao sistema de transporte público de Belém. Nesta primeira etapa, as 18 cooperativas que já atuam na cidade têm 15 dias úteis, a contar desta terla, para entregar à Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob) documentação referente às cooperativas, aos cooperados, e aos veículos.

Atendidos a todos os pré-requisitos, e com os veículos vistoriados pela Semob, a Prefeitura de Belém irá emitir ordens de serviço nos mesmos moldes de como é atualmente a delegação do serviço de transporte público por ônibus na capital. Esse formato de delegação por autorização irá vigorar até a licitação do sistema de transporte complementar, o que deve ocorrer imediatamente após a conclusão da licitação do sistema convencional.

“Desde 2014 a Prefeitura vem trabalhando para se chegar nesse momento atual. Estamos licitando o sistema de transporte público por ônibus e estamos nos antecipando à próxima etapa posterior a essa, que é a licitação do sistema de transporte complementar, organizando esse serviço que hoje é um transporte alternativo que concorre com o serviço principal por ônibus e não trata o usuário como cliente. O que vamos é começar a organizá-lo visando à licitação futuramente”, explicou Gilberto Barbosa, superintendente da Semob, em reunião na tarde de segunda-feira, 3, que contou com a presença de representantes das cooperativas que atuam em Belém, do prefeito Zenaldo Coutinho, do vereador Fabrício Gama e do comandante da Guarda Municipal.

“Ao invés de esperar a conclusão da licitação do transporte convencional, estamos organizando o serviço atual. Isso dá tranquilidade aos usuários, ao poder público e a quem opera o sistema, que passa a ter uma permissão da Prefeitura de Belém”, destacou Zenaldo Coutinho. “A cidade fez um investimento muito grande no transporte público, que tem que funcionar, e para isso todo o entorno tem que estar funcionando. Este momento que estamos iniciando é fundamental para a etapa seguinte”, completou o prefeito.

Critérios – Para se cadastrar as cooperativas precisam estar instituídas como tal (não podem ser associações, sindicatos ou federações) e devem apresentar documentos básicos como CNPJ, ata de instituição da cooperativa e inscrição na Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa).

Os veículos apresentados devem ser vans ou micro-ônibus de 16 a 21 lugares. Inicialmente a Prefeitura de Belém instituiu a idade máxima dos veículos em sete anos. Durante a reunião, a categoria solicitou essa ampliação para dez e o prefeito Zenaldo Coutinho determinou à equipe técnica da Semob que avalie uma ampliaçãopara 12 anos. Até quinta-feira, 6, a Semob responderá ao pedido do prefeito.

As cooperativas podem entregar a documentação completa ou por partes, desde que seja respeitado o prazo que foi acordado entre todos como improrrogável, para evitar que se postergue as demais etapas que dependem desse cadastramento até a entrega das ordens de serviço.

Reunião Transporte Alternativo / Complementar de Belém

Rede atual – Levantamento feito pela Semob indica que atualmente a rede de transporte alternativo conta com cerca de 170 km de cobertura e tem 15 linhas operadas por 18 cooperativas, com cerca de 420 veículos. Por determinação da Lei Orgânica do Município, só poderão entrar no sistema 200, o que representa 15% do número de veículos do sistema de transporte convencional por ônibus. Significa, portanto, que haverá um corte de aproximadamente 53% da frota que atualmente roda como alternativa.

“Vamos alcançar a legalidade, mas para isso vamos ter que nos adequar à frota permitida. E nisso a lei não deixa dúvidas: o transporte complementar só pode atuar com 15% do quantitativo da frota convencional”, ressaltou o prefeito Zenaldo Coutinho. Nesses 200 veículos, por decisão do prefeito, não estão incluídos os que já operam no sistema suplementar de Mosqueiro.

Com a organização do sistema se espera, de imediato, acabar com diversos problemas relacionados à oferta do transporte alternativo.

“O sistema se chama complementar, então ele não pode concorrer com o principal. Também não pode ter o que chamamos de ‘cooperativa guarda-chuva’, quando algumas pessoas têm mais de um veículo ou estão ligadas a mais de uma cooperativa. Temos uma alta sobreposição de linhas, em especial na avenida Augusto Montenegro, que saem quase todas do mesmo ponto para retornar no Castanheira, e isso gera um conflito entre eles próprios. Também há muito desvio de itinerário, em especial entre os que operam as linhas que vão da praça do Relógio a São Brás e que, dependendo da demanda, em um determinado momento param os veículos e mandam os usuários descer com o objetivo de voltar ao ponto de origem para pegar mais passageiros. Também há uma inexistência do quadro de horários, o não atendimento às gratuidades estabelecidas por lei e a meia-passagem dos estudantes. Isso tudo sem contar veículos sucateados “, citou Gilberto Barbosa.

O superintendente acrescentou: “O que há hoje é uma ausência de regras e o que estamos propondo é uma regra transitória para se caminhar até as regras definidas por licitação para oferecer o serviço integrado ao sistema de transporte público de Belém”. Barbosa destacou que, entre outras vantagens, quando for licitado o sistema de transporte complementar terá uma permissão de dez anos, prorrogável por mais dez.

Reunião Transporte Alternativo / Complementar de Belém

Cooperativas – “Estou emocionado. Achei que este momento nunca iria acontecer. Acho que é momento de se unir e acabar com a confusão entre as cooperativas e de fazer o nosso trabalho bem feito”, destacou Francinaldo Costa, da Cootransbel.

“A própria categoria tem interesse que este prazo de cadastro seja curto, porque há mais de dois anos a gente vem conversando com a Prefeitura e já sabia que este momento chegaria. Então acredito que todos nós estejamos com a sensação de dever cumprido de chegar até aqui. Em todo esse tempo a Prefeitura vem nos tratando com dignidade e a emissão dessas ordens de serviço antes da licitação definitiva é mais uma prova disso, porque só se oferece um serviço de qualidade se tiver gestão”, destacou Waldir Segundo, presidente da cooperativa CTC.

“É um momento realmente único, são longos anos de batalha. Agradeço ao empenho dessa gestão em desde o início tentar fazer um transporte seguro em um processo que respeita a categoria”, disse Cristina Louchard, advogada que representa diversas cooperativas e que preside a Comissão de Trânsito da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Texto: Esperança Bessa
Foto: Fernando Sette
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.